Translate

25/08/2009

ARCA DE NOÉ











Consta no livro da Bíblia

Noé teve que preparar

Uma grande e forte arca

Que tinha que agüentar

Uma enorme tempestade

E todos os bichos em par


Era tudo bem certinho

Um casal de cada raça

Todos bem separados

Sem nenhuma arruaça

Estava ficando apertado

Mesmo sendo uma barcaça


Aperta daqui, aperta dali

Todos tem que acomodar

Tudo certo e conferido

É hora da porta fechar

A fauna bem representada

Cada bicho com seu par


Quarenta dias e noites

De chuva do céu desceu

Estava Noé a bicharada

Esposa, Nora e filho teu

Tudo que podia pegar

De nada ele esqueceu


Está quase tudo registrado

Em Gênesis você pode olhar

Aconteceram certos fatos

Que tentaram ocultar

Moises não escreveu

Mas eu vou lhes contar


É que dilúvio foi demorando

A coisa ficou complicada

Ninguém estava esperando

Uma viagem tão demorada

A barca ficou balançando

Misturou toda a bicharada


Cada qual perdeu seu par

E formou grande confusão

Os bichos sem preconceito

Aproveitaram da situação

Foi o maior trança e transa

No meio da escuridão


O Canguru muito esperto

Que não é de brincadeira

Procurou para namorar

Uma Macaca bem faceira

Nasceu uma macaca cinza

E na barriga uma frasqueira


O Urubu viu a dona Pomba

Aproximou com muita cobiça

Namorou de dia e de noite

Sem nenhuma preguiça

Daí gerou um Pomburu

Pedindo a Pomba carniça


O Porco não traiu a Porca

Mas no escuro se ferrou

Saiu agarrando as fêmeas

Que na frente encontrou

Beijando a Javali na boca

O dente nele cravou


O Galo muito assanhado

Totalmente apaixonado

Correndo atrás a Pata

Tropeçou caiu no lago

Agarrou-se a um galho

Antes de ser afogado


A procura da Dona Galinha

O Coelho foi ao galinheiro

O Gambá lá estava dizendo:

Desculpe-me companheiro

Sou o dono desse terreiro

Da o fora cheguei primeiro


O Pavão é que ficou triste

A patroa o tinha largado

Ele saiu desembestado

Com a Ema ficou encantado

Mas ela só tinha interesse

Em apreciar seu lindo rabo


Com atenção no céu

Que muito estava chovendo

E preocupado com dilúvio

Noé não estava vendo

O que de fato na arca

Estava acontecendo


O Papagaio ensinou

A Dona Tucano falar

Fofoqueira do bico grande

Imagina o que foi dar

Criticava os outros bichos

Chamando para brigar


Começou falar gritando:

- Da o pé pra pretinha pisar

Não enche o meu saco

To a fim de ouriçar

E quem olhava atravessado

Mandava para aquele lugar


A Gata estava no cio

Disse para o Tamanduá:

Esquece estas formigas

Na sua língua a beliscar

Venha para telhado

Para gente namorar


O Tamanduá estava sozinho

Com a língua toda mordida

Atendeu o chamado da felina

Namorou a Gata perdida

Daí nasceu um gatuazinho

Pedindo a gata formiga


O João de Barro e a Pica-pau

Os dois bem espertinhos

Grandes empreendedores

Juntaram seus trapinhos

Ela com madeira, ele o barro

Montaram uma fabrica de ninhos


O Leão traiu dona Leoa

Com a Vaca Malhada

Ele nem sequer imaginava

Mas a coisa ficou complicada

É que o boi flagrou os dois

Foi lhe dar uma chifrada


O Macaco que foi traído

Foi atrás da Onça atirada

Ela gostou e ficou com ele

Como antiga namorada

Gerou um macaco rosnando

E com a pele toda pintada


O Jaboti pobre coitado

Quase cego e bem safado

Todo sujo e molhado

Na escuridão foi encontrado

Todo feliz e excitado

Com uma cuia abraçado


Chegada à bonança

Acabada a chuvarada

Toda aquela confusão

Já tinha sido arrumada

Noé baixou a rampa

Liberou toda bicharada


Esta parte da história

Moises não registrou

Ainda pediu ajuda

Para o grande criador

Que teve muito trabalho

Mas tudo consertou

.

.


Um comentário:

Baldoino disse...

Amigo Renato, Parabéns, gosto muito do seu blog, aprendi a circular por ele regularmente.

Hoje recebi um e-mail da Tadany ''Arte'' lendo um dos seus poemas lembrei do blog:

Poema 349

Somente pode apreciar a beleza de uma poesia

Aquele ser cujo refinamento transpõe a rudeza da existência mediana

Somente pode estimar e vivenciar valores morais no dia-a-dia

Aquele ser cuja consciência entende a valor de uma vida humana.
(Tadany – 07 10 08)